domingo, 17 de agosto de 2008

78.

Foto de M

E na sequência do texto e fotografia anteriores, confesso-vos que aquela luz dourada da montra me despertou curiosidade e uma vontade imensa de descobrir o que estaria para lá dela.
Entrei na loja. Dentro o espaço é exíguo, apesar do espelho ali posto para nos dar a ilusão de que o não é. Logo à direita, sobre um pequeno balcão, está pousada uma almofada macia. É nela que os clientes apoiam o cotovelo quando querem experimentar o modelo de luva que mais lhes agrade à vista, sob o olhar solícito do empregado e dos seus movimentos bem coordenados. Pareceu-me que se mexia com à-vontade neste cubículo dourado, pois não notei que ele reduzisse o sorriso e a amplitude dos gestos sempre que procurava e abria as caixas onde guardava as luvas. Bem acomodadas e identificadas por modelo e número, descansavam temporariamente em prateleiras por detrás de uma cortininha que as separa do balcão e para lá voltavam, perdido ou não o negócio.
Ora perscrutado o lugar e considerada apetecível a variedade oferecida, talvez não resista a tentar encontrar alguma luva que se ajuste ao meu tamanho de mão…
M

12 comentários:

vida de vidro disse...

:) E olha que já é difícil encontrar quem nos atenda assim, com um sorriso. Os sorrisos são raros, hoje em dia... **

bettips disse...

Macia e côr de folha no Outono, bem a propósito. Vai lá...
Bj

Justine disse...

Pela tua descrição, parece assim um bocadinho do Chiado do séc. XIX, preservado vai lá saber-se porquê. Ou é apenas o teu olhar?
Ah, e tenho a certeza que encontrarás uma luva que sirva na tua mão:))

jawaa disse...

É aquela casinha ao cimo da rua do Carmo que ainda faz luvas por medida, é?

M. disse...

Jawaa:
Sim, fica na rua do Carmo, do lado esquerdo quem desce em direcção ao Rossio.
http://www.luvariaulisses.com/

...?... disse...

e a "ultima novidade" é a terapia do riso, e com efeitos bem positivos, diga-se.

M. disse...

...?...:

É verdade, por acaso há alguns bons terapeutas por aí que me fazem rir quando eu menos espero.

Teresa David disse...

Lembro-me muito bem desla loja onde sempre me detia mais pelo espaço em si do que pelas lojas, que embora bonitas, prefiro as de lã grosseiras quando o frio aperta.
Havia também uma loja destas muito bonita no Rossio ao lado da Loja das Meias junto ao arco que vai para a Rua dos Sapateiros.
Infelizmente tudo que tinha carisma na baixa a pouco e pouco tem desaparecido, ainda bem que esta loja que falas e tão bem fotografaste ainda existe.
Bjs
TD

dona tela disse...

Xaaaauuu!!!!

Maria Laura disse...

Cor e reflexos numa loja de outros tempos. Lindo.

Frioleiras disse...

Conheço bem essa loja... um cheiro a coisas doutro tempo.... da era em que tudo não era igual... um cheiro anti-globalização ...
e que ganhou poesia com as cores que conseguiste na tua fotografia...

(gosto do nome "fotografia"...)

bjs..

heretico disse...

cuidado. que a escolha das luvas requer outro requinte que não a escolha dos sapatos... rss

(como se sabe há sempre um sapato à espera de um qualquer pé...)

adorei a subtil (auto)ironia.