segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

90.

Foto de M

Loneliness. Dei comigo a dizer a palavra baixinho enquanto discorria sobre o desvario do mundo colado aos ecrãs de televisão de nossas casas. Porquê em inglês? Talvez por causa dos momentos em que a língua materna nos magoa tanto ao falar do que nos entra na alma que preferimos ignorar a sua voz e usar uma outra que nos é mais estranha. Ou então, pelo contrário, de tão aturdidos pelo absurdo da violência que nos rodeia e nos faz sentir perdidos de nós e dos outros, procuramos palavras que nos unam no desamparo universal e nos apazigúem o medo da solidão interior. Não aguentamos sozinhos a mágoa do mundo nem a sensação de impotência perante a insanidade de governos e povos, sejam eles quais forem.
Loneliness, uma palavra de solidões.
M

21 comentários:

Justine disse...

Por isso a solidariedade, por isso a cumplicidade, por isso a necessidade de juntarmos mãos e vozes -para exorcizar as solidões.

bettips disse...

Tu tens razão, esta desrazão.
Queria ouvir um noticiário (na vinda) e só encontrei futebol.
Loneliness é a palavra certa: e desfazê-la será com chá e portas abertas a desoras. Ou palavras que se trocam e tocam.
Bj

Licínia Quitério disse...

Loneliness. Vendo bem, como dizes, será maior que solidão. E não é uma soma de solidões. Será outro nome para o medo. Será...

Um beijo.

vida de vidro disse...

É certo que tudo o que nos toca fundo se diz mais facilmente noutra língua que não a nossa... talvez porque parece que é uma qualquer personagem a dizê-lo, não nós.
Absolutamente de acordo contigo quanto ao impacto terrível da violência no mundo sobre o nosso mal-estar. E da necessidade de o combater. **

jawaa disse...

Verdade, tudo verdade.
Um abraço

audrey disse...

beijo-te........

heretico disse...

fico aturdido (gratificantemente)com presciência das tuas palavras. não há "politicamente correcto" que as possa macular...

beijo

Vieira Calado disse...

Em português sempre!

Bjs

legivel disse...

... a maioria das vezes discorremos sózinhos sem palavras para o exterior. Mas penso ser um processo natural, de amadurecimento das ideias e que quase nada de solitário terá, no sentido mais cinzento do termo. Porque depois - como no caso vertente deste teu texto, eis-te aqui a dizer da tua justiça (e quem dela estará em desacordo? no que se refere ao absurdo da violência) perante nós. Solidários, não solitários.

mena m. disse...

Ficamos indignados, consternados e como bem dizes impotentes e inseguros perante tanta violência!
E o que mais me assusta e que essa mesma violência vem de homens e mulheres como nós...
Tanta ignorância, tanta estupidez, tanta falta de respeito pela vida!

vida de vidro disse...

Amiga, tens lá meu blog uma lembrança. :)**

monica disse...

por acaso acho a palavra bem bonita e tem um som bem alegre "loneliness" acho q me faz lembrar uma música daquelas bem à moda antiga

Zica Cabral disse...

texto muito bm escrito e tao verdadeiro.
So nao estou de acordo contigo no que se refere a palavra Loneliness. A palavra em portugues - Solidao - e mais pesada, traduz mais o estado de alma. Solidao que as vezes e tb estar rodeada de gente que nao fala a nossa lingua nem segue o nosso pensamento.
Desculpa a falta de acentos e cedilhas mas este teclado e ingles, porque vivo em Ingalterra e neste momento estou a escrever do meu portatil. O meu PC que tem o teclado portugues esta a arranjar.......
um abraco
Zica
Tudo o resto

tinta permanente disse...

Há solidões e... solidões!
Talvez que, a pior, seja aquela em que não queremos estar a sós connosco.
Abraços!

Frioleiras disse...

querida M. ...............

como te compreendo...

mas

a solidão é uma coisa terrível
sobretudo para quem não tem o calor de família...

é o medo que se instala, é a inutilidade que nos envolve é a ausência de destino de fio à meada....

beijo-T

Marinha de Allegue disse...

Coido que como mellor nos expresamos é na nosa língua materna...

Unha aperta M.
:)

Rodrigo Rodrigues ("Perdido") disse...

Venho aqui tardiamente agradecer e retribuir os votos que deixaste no meu blogue lá por altura das festividades. Entretanto, as desgraças não pararam de acontecer e remeteram-me para o silêncio. Assisto impotente e sem ânimo ao desabar do mundo em que acreditava viver. Verifico também "o absurdo da violência que nos rodeia e nos faz sentir perdidos de nós e dos outros". Por isso, cada vez mais perdido.

audrey disse...

um beijo grande........muito grande...

audrey disse...

e..........

quão verdadeiras as tuas palvras... sinto,
absolutamente,
o mesmo..........

despertando disse...

Como as tuas palavras me deixam com um nó na garganta....
Bjs? Muitos.

Teresa David disse...

Uma amargura trespasse este texto que sinceramente me provocou um arrepio na espinha!
Bjs
TD