quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

198.


Foto de M

Fotografei este recanto apenas porque o achei singular. Só agora, ao repescar a imagem para a publicar aqui, me saltou ao pensamento um versículo do Evangelho de São Mateus: «Quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que fez a direita, a fim de que a tua esmola permaneça em segredo; e teu Pai, que vê o oculto, premiar-te-á. (…)». Associações de ideias que amiúde me provocam, embora neste caso o conselho não possa ser seguido à risca. Tratando-se do corrimão de uma escada estreita que dá acesso à porta de entrada de uma casa, aquela mão esquerda que o sustém saberá, na maior parte das vezes, o que faz a direita. Não a sua porque não a tem, mas a de alguém que nele se apoie para subir os degraus com mais ligeireza. Além disso, estando ela presa à parede e sendo muda, terá menor capacidade de acção. Para quem desce, a situação será diferente. Em conformidade com a habitual constituição dos braços, a tal mão direita manterá a posição dextra no corpo a que pertence, não sendo visível do lado oposto. Encontrar-se-ão então apenas as duas esquerdas, ocasião propícia ao cumprimento mútuo, suponho, seja ele contido ou mais efusivo. Aliás, «Para baixo todos os santos ajudam», lá diz o ditado. 
M

4 comentários:

JP disse...

Não precisamos de nos pavonear com os feitos, pois alguém sempre repara...

Quanto às mãos, cada uma tem a sua função, pertencem ao mesmo corpo.

Beijinhos

bettips disse...

Os teus adoráveis, e tantas vezes divertidos, meandros. De linguagem e ideias. Um mimo, este texto-foto!
Bj

heretico disse...

esperemos que a esquerda se solte e reponha a justiça da coisa - isto é, colocar o corrimão no outro lado da escada...

finíssima ironia. a tua.

adorei.

beijo

Justine disse...

Parece que estou com ideias fixas, M. : não consigo olhar para a tua foto sem "ver" o resto do corpo metido na parede...o Freud iria certamente explicar isto!