sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

45.

Foto de M

Belas as linhas que se cruzam e se desencontram nesse espaço de sombras e luz, imaginados os corpos em movimento de escadas e passos dançando como sombras chinesas. Procurando-se ou ignorando-se nesta realidade‑fantasia que é viver, e onde por vezes nos sentamos com o tempo de estar ou de ser. Ou com ambos os tempos. Connosco ou com os outros. Calando ou não a nossa voz, segurando o pensamento na palma da mão levemente encostada ao rosto, perdido o olhar no olhar alheado de alguém. Outras vezes pegando ao colo na mágoa que sangra por dentro e nos suga as entranhas sem que sejamos capazes de a estancar. Ou então − sublime desejo − vestindo uma túnica delicada de estátua grega, sentir unicamente o gosto pela beleza despojada da vida.
M

19 comentários:

bettips disse...

Belo, tanto, apesar de silêncio.
Belo de vivido, pensado.
Bjs

Mo disse...

um labirinto a 3D

Licínia Quitério disse...

Apetece-me dizer: onde a mágoa e a beleza se abraçam é o lugar da tua foto-escrita.

Beijo.

jawaa disse...

Palavras sentidas que partilho.
Um abraço.

Marinha de Allegue disse...

Feliz Ano 2008 e agradecida pola visita, volta sempre que gustes.

Unha aperta de Ano Novo.
:)

Oliver Pickwick disse...

Ei, M.! Um texto tão belo como o segmento de curva que delineia o arco - materializado por suas lentes, o qual, suaviza a rigidez das linhas retas.
Beijos, e um ótimo fim de semana!

herético disse...

beleza despojada de vida! vislumbro. por um momento que seja. aqui. e agora...

Maria Laura disse...

Acho este texto excepcional e nem te sei dizer porquê. Talvez porque tão sentido e pensado. Um misto de racionalidade e sensibilidade pura.
Não disse nada da foto. Porque está linda. Essa luz, essa forma suave de tocar os interiores da casa (da vida...)!

Teresa David disse...

Novo ano mas a continuação de esta escrita dotada que tens, pejada de bom gosto, sensibilidade e imagens completamente ao mesmo nivel. É sempre tão bom ler-te!
Bjs
TD

Frioleiras disse...

o despojo
é o alimento da alma,
estou certa...

embora nunca o consiga...

beijo-te

m

rui disse...

Olá Manuela

A facilidade como brotam de ti estas serenas reflexões!

Abraço

Teresa Teixeira disse...

Lindissima esta tua reflexão! Tão linda que até me fez esquecer a fotografia (também linda)! As tuas palavras fazem doer muito... «beleza despojada de vida» é aquilo que ambas sentimos! Como te compreendo!

Um beijo

mena m. disse...

Uma reflexão para ler palavra por palavra, como um quadradinho de chocolate que deixamos derreter na boca, para o saborearmos melhor.
No fim fica, porém, algo de amargo...

O saber quanto te dói!

Um abraço

O Profeta disse...

Quando a sensibilidade está à flor da pele saiem textos com esta grandeza...


Doce beijo

Baudolino disse...

Belo texto, muito tocante
Abraço
P.

despertando disse...

Um texto tão lindo onde sinto tanta saudade e tanta dor, amiga.
Um abraço com muito carinho

Sonia disse...

Não sei o que mais admiro - se a foto, se o texto.

Anónimo disse...

Adoro a fotografia e assino por baixo da "despertando"...
Um abraço forte
mj

Teresa David disse...

Afinal já tinha visto este post. Fico curiosa se esta é a tua casa, se for reflecte a beleza que te povoa, se não for é um espaço belo sem dúvida com uma luz que transmite vida, mesmo que algumas nuvens a possam assombrar.
Bjs
TD