sábado, 19 de abril de 2008

61.

Foto de M

Braços estendidos para o infinito, um aceno na ponta dos dedos: a vida compondo-se na fantasia terrena de perenidade.
M

13 comentários:

jawaa disse...

Linda!

Justine disse...

A perenidade do efémero, mas com a certeza da sua renovação, ciclicamente.
Bela imagem, ilustrando a transmitida pelo texto...

Beijo, e bom fim de semana

aquilária disse...

indiferente às nossas alegrias ou dores, a natureza vai cumprindo os seus ciclos.cabe-nos a nós, humanos, sonhar.

um abraço, m. sabes que raramente deixo aqui comentários mas sou visitante assídua desta tua casa.

bettips disse...

Simplicidade luminosa.
Cada Primavera azul-amarela.

eremita disse...

não é a nitidez, é a limpidez e o contraste, que recriam tão bem o infinito de que, igualmente bem falas com breves palavras.
Fraterno abraço

mena m. disse...

Uma fonte de inspiração a árvore!Indulgente e serena continua a reinventar a vida em ciclos contínuos!


Um beijinho

herético disse...

a vida tudo (re)compõe. até a fantasia...

bravíssima M. adorei.

Maria Laura disse...

A perenidade da natureza está na sua renovação. Renascer, talvez seja o "segredo" da eternidade.
Linda foto!!

legivel disse...

... essa fantasia é muito mais conseguida do que costumam ser as minhas. Assim não brinco...

sorrisos.

D. Maria e o Coelhinho disse...

POR ACASO, À PROCURA DE ERVINHAS, NÃO PASSOU POR AQUI O COELHINHO?

SE O VIRES DIZ-ME


D MARIA

Justine disse...

M. gostei muito do teu texto sobre as palavras, um exercício de metalinguagem terno e muito bem escrito.
Beijo

TINTA PERMANENTE disse...

Uma bela representação da perenidade!


abraços!

Licínia Quitério disse...

A natureza alindando-se para a eternidade?

Suaves acenos os teus.

Beijo.